Mozart

Uma coisa é certa, a inveja e o “envenenamento da mente” são perniciosos, podendo causar danos psíquicos e destruir a vida de um homem. Marcel Brion, no livro Viena no tempo de Mozart e de Shubert, São Paulo: Companhia das Letras, 1991 (pág. 91, in fine) traz importantes esclarecimentos sobre a sociedade da época, quando questiona se Viena realmente se mostrou digna de Mozart.

A sociedade da época permitiu que Mozart definhasse numa pobreza que lhe exauriu as forças, levando-o a uma morte prematura. Os insistentes pedidos de dinheiro que o compositor fez a seus amigos de Salzburgo e aos “irmãos maçons”, a constante e terrível penúria que o perseguiu até a hora da morte, o carro fúnebre que conduziu seu corpo à vala comum, os expedientes a que recorreu para sobreviver, parecem mostrar que Viena não soube, ou não quis, proporcionar-lhe o mínimo de recursos, para que pudesse manter a paz de espírito e a tranqüilidade necessárias ao trabalho. A pobreza do lar de Mozart não foi provocada pela frivolidade e pelos caprichos de sua mulher, Constanze, afinal, estes não eram assim tão onerosos. A verdadeira causa foi a sovinice das famílias vienenses, que lhe pagavam um salário ridículo por suas aulas, a indiferença do público, que fazia de suas óperas um fracasso, ou um semi-sucesso, a desonestidade dos editores, sempre fraudando seus direitos autorais, que ele, descuidado de tudo o que se relacionava com dinheiro, não soubera preservar através de um contrato adequado. E quem, melhor que Mozart poderia conquistar a admiração e a devoção de todos os vienenses, que no entanto deram preferência a Salieri, Martin y Soler e outros compositores, muito inferiores a ele?

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.