Twitter

Blog é blog. Twitter é Twitter? Sinceramente, não sei.  Mas vou parar de ficar repetindo os meus posts do Twitter aqui. Só alguns (quando eu não resistir).  Alguns amigos dos velhos tempos da informática pedem para que eu explique o meu entusiasmo com o TWITTER – não se conformam. Criticam a ferramenta.

De fato, eu tive uma péssima primeira impressão.  Aliás, já li uma notícia ou artigo na Internet que diz que são várias as pessoas que pensam da mesma forma quando visitam o site do TWITTER pela primeira vez – ou seja: péssima primeira impressãoO que você está fazendo agora? Ridículo.

Puro preconceito e desconhecimento do que o Twitter é capaz de fazer. Eu também tive esse preconceito. Na verdade, o Twitter trouxe sentido para os agora morimbundos RSS funcionarem de uma forma inteligente.

Os filtros são as pessoas. É claro que também existem fornecedores “institucionais” de rápidas informações em 140 caracteres no Twitter (eu mesmo estou seguindo vários) – mas existem pessoas fornecendo informações muito interessantes, seleção por inteligência, por cultura, por backgroundSeleção por pessoas qualificadas e capazes – que você define quem são. O filtro no Twitter não é obrigatoriamente sempre institucional e pasteurizado (jornais, agências de notícias, grandes blogs, aquele jornalista mal preparado, etc.) – o filtro, o selecionador no Twitter também são as pessoas. E isso é fantástico!

Uma coisa é você receber o RSS ou seguir no Twitter o jornal The New York Times. Outra coisa é você seguir também o editor-chefe do jornal, colunistas, repórteres, etc. É muito interessante. Outra ótica, outra linguagem, hyperlinks, informações não publicadas. Quase como sentar em um bar ou restaurante com eles. Quase, é claro.

Com isso, não tenha dúvida: você terá acesso a informações excelentes, inéditas, rápidas, curiosas. Até mesmo networking (relacionamento). Coisas que nunca imaginou ler ou descobrir onde estava na Internet.

Se observar com inteligência a lista das pessoas que você selecionou para seguir, você também encontrará muitas informações interessantes, novos contatos. Novas pessoas para seguir.

Que tal conhecer blogs no underground, lowprofile – que nunca imaginou que pudessem existir – pois longes da grande mídia, dos fornecedores institucionais, dos resultados relevantes do Google?. Dicas excelentes. De tudo: sites, informações, pessoas, viagens, comidas, etc. Tudo rápido, imediatamente.

Há também os “popular topics”  – ou seja, os tópicos populares – aquilo que todas as pessoas no mundo que utilizam o Twitter estão mais falando naquele momento.

Não há como ler todos os posts do Twitter. Nem tente fazer isso se você realmente trabalha. Você ficará o dia todo somente fazendo isso. A solução que eu encontrei: reservar o tempo que antes reservava para as notícias – e ler os posts do Twitter por amostragem livremente e/ou filtrados por assunto, origem, etc. 

Não tenho dúvida que eu estou bem mais informado agora lendo o Twitter nesses horários – do que antes – lendo um jornal impresso (a propósito, há muito não leio mais jornal impresso) ou portal de notícias de um fornecedor institucional qualquer.

Visito rapidamente os portais e blogs – mas é no Twitter a minha atual fonte de informações: rápida e, principalmente, selecionada de forma e por pessoas inteligentes que eu mesmo selecionei.

Os comentários “o que você está fazendo?” – levados à risca, ao pé da letra – “estou tomando um sorvete agora” – são suportáveis desde que não sejam emitidos em grande quantidade.

Alguns utilizam o Twitter apenas para isso. William Bonner é um exemplo atual. Ele é editor-chefe do Jornal Nacional da Rede Globo. Na minha lista, no início – Bonner foi o primeiro a informar que o Rio Janeiro havia sido eleito para as Olímpiadas.  Excelente! Imaginei: como a Globo costuma receber as informações primeiro que todas as outras – eis uma excelente oportunidade para um breaking news de verdade!

Depois Bonner preferiu só contar histórias e divertir-se com o Twitter e seus fãs. Tudo bem. Continuo seguindo Bonner. Ele não tem obrigação nenhuma de agir de forma diversa. Quem quiser segue, que não quiser não segue. Uma hora vai acontecer alguma coisa importante – o  JN vai ficar sabendo e ele vai falar para os seus seguidores – mesmo que seja depois da escalada do início do Jornal.  (risos)  

E também, se não falar, seus contatos (as pessoas que ele segue) devem ser interessantes. Bonner não é nenhum idiot-box reader (simples leitor de teleprompter) como dizia o Paulo Francis – fazendo referência aos apresentadores de telejornais despreparados (que não eram jornalistas).

Resumindo: quando não tenho mais interesse em alguém, dou um simples unfollow – ou seja, deixo de seguir e com isso receber as informações daquela pessoa. 

A maioria dos artistas famosos no Twitter alimentam os seus fãs (que adoram saber de todos os detalhes da vida pessoal de seus ídolos) com esse tipo de informação (literalmente – o que estão fazendo). Muitas vezes os comentários são divertidos e curiosos. É uma descontração. Sem falar na óbvia preocupação constante que demonstram em relação à quantidade de seguidores. Até sorteio são capazes de fazer para reunir cada vez mais pessoas. Quando tudo isso é demais para mim: unfollow.  Não dá para perder tempo só lendo bobagens, é claro.

São inúmeras as possibilidades no Twitter: apresentações em vídeo, bate-pato, o desenvolvimento de alguma idéia no tão festejado formato colaborativo.

Se Jack Dorsey – @jack (criador do Twitter) não correr – e melhorar muito a capacidade de armazenamento, classificação e organização das informações – bem como a interface com os usuários. Twitter terá vida curta.

É evidente que o sistema também é um grande sucesso por conta da instantaneidade, dessa objetividade rápida e interessante (são apenas 140 caracteres) – e da possibilidade de utilizá-los em dispositivos portáteis como celulares (Blackberry, Iphone, etc.)

Se você estiver na sala de espera de um consultório médico: qual a razão de perder tempo lendo revistas e jornais impressos – se você tem o mundo rapidamente à sua disposição no Twitter. Notícias selecionadas por pessoas que você determina (repito isso intencionalmente). 

No meu Blackberry, estou utilizando o Über Twitter (http://www.ubertwitter.com) – muito bom! Há várias soluções integradas: enviar fotos, vídeos, encurtar URLs, etc.  Já no desktop – utilizo o site do Twitter (sofrendo com a ausência de algumas funcionalidades que já deveriam existir ali) – e também o TweetDeck (http://www.tweetdeck.com).  Para o Iphone tenho algumas sugestões, mas como não utilizo o aparelho, não opinarei por não ter usado. Não acredito em quem opina sem utilizar. É aquela história da professora de Processo Civil que nunca entrou no Fórum. Não dá.

Bem, acredito que com essas informações básicas os colegas poderão visitar e conhecer melhor o Twitter. Como não sabemos o que está por vir, é melhor correr antes que acabe – ou seja destruído pela imbecilidade.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.