Os brasileiros leigos e a H1N1

Se visitarmos o site dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC – Centers for Disease Control and Prevention) veremos com destaque a seguinte informação:

CDC recommends the use of oseltamivir or zanamivir for the treatment and/or prevention of infection with swine influenza viruses.” – ou seja, o CDC recomenda o uso do Tamiflu (oseltamivir) para o tratamento e/ou prevenção da infecção com vírus na nova gripe.

Aqui no Brasil, o Senhor Ministro da Saúde disse em recente entrevista que o Tamiflu não pode ser usado para prevenção. E na mesma oportunidade comentava sobre o fato de que o Governo Brasileiro havia recolhido todas as unidades disponíveis nas farmácias para evitar a automedicação e oferecer o medicamento à quem precisa.

Algumas perguntas são inevitáveis. Há vários anos, quando foi recomendado para todos os países do mundo para que providenciassem estoques estratégicos de Oseltamivir (Tamiflu) para uma possível pandemia (gripe aviária) – o Governo Brasileiro fez a lição de casa? Realmente fez tal estoque? (veja isso) 

Eu pergunto isso, pois essa decisão de recolher os medicamentos das farmácias é no mínimo estranha e já foi motivo de crítica de vários médicos e profissionais da saúde, como noticiado pela imprensa. Não vi isso ocorrer nos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra. Quais países estão tomando tal providência?

Surge a dúvida de que o governo brasileiro, em plena urgência da pandemia, recolheu o Tamiflu dos estoques comerciais das farmácias que estavam à disposição da população para cumprir tal papel. A sociedade quer uma resposta.

O brasileiro Edson Coelho do Nascimento, confiante no exemplar e tão eficiente sistema de saúde pública do Brasil, um leigo para usar a expressão da ilustre Senhora Secretária de Saúde de Diadema, Aparecida Pimenta, ficou desesperado com os protocolos do Ministério da Saúde que estavam sendo seguidos pelos postos de saúde que visitava com a sua filhinha. (clique aqui)

O leigo Edson Coelho do Nascimento questionava os médicos que os sintomas de sua filhinha estavam batendo com os descritos como sendo da nova gripe (H1N1) e que estão sendo amplamente divulgados para a população pela mídia (principalmente).  Tudo indicava que o leigo estava errado e que era caso de gripe comum.

Nesta quinta-feira, dia 23.07.2009, o leigo, o pai da garotinha morta pelo H1N1 de apenas 1 ano e 6 meses, afirma: “Eu duvido que um pai como eu vá achar que o procedimento foi correto.” – É verdade, caro brasileiro, leigo, Edson Coelho do Nascimento, estamos com você. E se eu tivesse em sua situação, teria saído correndo para comprar um Tamiflu nas farmácias ou pegar o medicamento com algum amigo ou vizinho, parentes – seja lá quem o tivesse – procuraria um médico particular (mesmo sem dinheiro para pagá-lo – coisa que resolveria depois) – e pediria socorro para salvar a minha filhinha, já que ela não se encaixava nos muito distintos protocolos do Ministério da Saúde do Brasil. 

Mas não podemos. O Governo Brasileiro mandou recolher todo o nosso estoque (do povo brasileiro) do Tamiflu das farmácias. É, acho que precisamos parar com essa mania de desconfiar do sistema de saúde público brasileiro. Vamos ficar tranquilos que teremos respiradores suficientes nos hospitais, o estoque do Governo de Tamiflu e atendimento correto. Brasileiros! Parem de reclamar, afinal temos o pré-sal. Podemos até comprar a Roche (Fabricante do Tamiflu) se quisermos. Força pessoal! Força.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.