Cientistas “ressuscitam” vírus da Gripe Espanhola

O que você vai ler abaixo é uma notícia de 2005/2006.

Antes veja isso:(clique aqui) e (aqui)

“Cientistas que recriaram em laboratório o vírus da temida gripe espanhola acreditam que o patógeno mais mortal do século XX cobrou um número maciço de vidas devido a uma terrível combinação de inflamação descontrolada do tecido pulmonar com morte celular, segundo artigo publicado na edição desta quinta-feira da revista científica Nature.

A chamada gripe espanhola, que varreu várias regiões do mundo no fim da Primeira Guerra Mundial (1914-18), matou, segundo algumas estimativas, entre 40 e 50 milhões de pessoas, cerca de três vezes mais que o próprio conflito.

O vírus H1N1 poderia contaminar uma pessoa com excelente saúde e matá-la de três a quatro dias, destruindo o tecido pulmonar com uma eficiência tal que o doente às vezes se afogava no próprio sangue.

Em uma experiência nunca antes vista na medicina, cientistas americanos chefiados por John Kash, da Escola de Medicina da Universidade de Washington, em Seattle, viajaram para o Alasca para recolher amostras de tecido de uma mulher, vítima da doença, cujo corpo ficou preservado no solo congelado.

Separando fragmentos do vírus, eles recriaram meticulosamente os oito genes do H1N1, trazendo de volta à vida um assassino visto pela última vez há três gerações.”

(*) Leiam essas notícias abaixo publicadas no G1 em 2006 para reflexões.

Notícia – 01
Notícia – 02

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.